Medir o Ra é suficiente?

Eu sou Mauro Duarte e quero neste artigo destacar um ponto importante referente a Rugosidade de Superfícies que é a escolha do parâmetro, mas antes vamos realizar uma introdução sobre influências importantes na textura superficial de uma peça.

Você já parou para pensar o que pode influenciar o acabamento de uma superfície?

Podemos inicialmente analisar a natureza da superfície:

– Microestrutura do material;

– Ação da ferramenta de corte;

– Instabilidade da ferramenta de corte sobre o material;

– Deformações nas guias;

– Deformações em função de tensões sobre o material;

Podem surgir propriedades indesejadas, tais como vales profundos que podem provocar a propagação de fissuras ou picos que podem acelerar o desgaste quando em contato com outras peças. Ondulações excessivas também podem causar ruído e indicar problemas de usinagem.

Mas afinal… O que desejamos ter em uma superfície?

Quantidade de vales suficientes para a retenção de óleo, quando a lubrificação é um fator importante e picos suficientes para a retenção de pintura ou adesivos. Outro ponto relevante é termos um perfil de superfície suave para a redução de ruído, vibração ou melhorar as características ópticas.

Queremos de fato, ter efetivo controle do processo, prevenindo o comportamento dos componentes e monitorando a sua performance.

Frequentemente a superfície de uma peça parece aos olhos humanos como plana e suave.

A superfície pode parecer suave se passarmos o dedo sobre ela, mas ao examinarmos sob uma lente de aumento, veremos uma estrutura complexa que é resultado de fatores como estrutura cristalina, pintura e processo de manufatura. Tal estrutura é chamada de ”textura” e frequentemente afeta a qualidade e o tempo de vida do produto.

Para controlar a textura superficial, primeiro devemos medi-la, se a mesma for realizada durante o processo de manufatura pode influenciar em decisões tomadas no sistema de usinagem, permitindo que a superfície seja controlada e otimizada melhorando, assim, o produto.

Para realizar a medição teremos que definir a superfície real, definida como a superfície que separa o corpo do meio ambiente.

O perfil da superfície é resultado da intersecção da superfície real com um plano específico e usualmente. Seleciona-se um plano que é normal ao plano paralelo a superfície real e que tem uma direção adequada.

ISO 13565-1 indica que a direção transversal (x) deve ser perpendicular a direção da orientação (lay) se não houver indicação contrária, sendo que para processos de usinagem que produzem orientações (lay) retas, circulares ou radiais, a direção que realizaremos a medição pode normalmente, ser observada por inspeção visual da superfície.

Nos casos que é impossível formar uma opinião sobre a direção da orientação, é normal fazermos várias medições em diferentes direções e adotar o maior valor de altura da rugosidade entre as medições.

O parâmetro de rugosidade mais utilizado em desenhos e especificações técnicas é o Ra, porém existem muitos outros definidos em norma que podem lhe apoiar na solução de problemas e melhoria de processos.

É interessante sabermos que podemos ter um mesmo valor de RA (Parâmetro de Rugosidade) para diferentes características funcionais e desta forma fica evidente a necessidade de conhecermos e utilizarmos outros parâmetros para a análise e tomada de decisões.

Quando medimos a textura de uma superfície, um cuidado deve ser tomado com a interpretação dos resultados, mesmo duas superfícies tendo o mesmo valor de um parâmetro de textura superficial pode ter características funcionais diferentes. A superfície da figura superior abaixo terá boas características de desgaste enquanto a superfície da figura inferior, apesar de ter o mesmo valor de Ra (parâmetro de rugosidade), desgastará mais rapidamente em função das pontas agudas na superfície.

Parâmetro de amplitude Ra (Média das ordenadas):

Sua aplicação na indústria é muito grande e geralmente é usado no acompanhamento em vários processos de fabricação. Devido à variação do parâmetro é possível indicar se o processo mudou em alguma variável (velocidade de corte, quantidade de fluidos, etc…). No entanto, é um parâmetro de natureza média e ele não é tão sensível a mudanças sutis.

Então pessoal, tenho como principal objetivo neste artigo, salientar quanto a importância de entender e interpretar os demais parâmetros de rugosidade e que estão disponíveis nos rugosímetros e normalizações, pois em determinadas situações podem ser muito úteis para a tomadas de decisões e ajustes nos processos.

Espero que você tenha gostado deste tema e fique a vontade para comentar e participar do nosso blog.

Forte abraço!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s