Fique ligado na escolha de Cabeçotes & Apalpadores para a sua 3D

Olá Pessoal,

Eu sou Mauro Duarte e Iniciei a minha carreira em 1989 no CETEMP – Centro Tecnológico de Mecânica de Precisão e tenho muito orgulho de ter atuado por 10 anos operando Máquinas Tridimensionais e equipamentos de extrema qualidade e precisão.

Neste artigo irei compartilhar com vocês alguns aspectos importantes, referente aos cabeçotes e apalpadores que envolvem o controle dimensional com o uso de MMCs.

Independente da Máquina e do cabeçote utilizado você terá que dar uma atenção muito especial na definição do dos sensores e elementos que irão permitir a medição de todas as cotas.

A norma ISO 10360-1 define que uma MMC deve utilizar um sistema de apalpamento com capacidade de determinar coordenadas espaciais na superfície da peça a ser medida e isto irá depender do que você deseja controlar e da maneira que você precisa referenciar a peça.

Você sabe qual é o coração de uma Máquina Tridimensional?

O Cabeçote!

O cabeçote é o principal componente do equipamento e é ele o principal responsável pela sua precisão e versatilidade.

O cabeçote pode ser fixo ou articulado e pode acompanhar um sistema que permite realizar o contato “ponto a ponto”
ou através de “varredura”.

Varredura x Ponto a ponto

Scanning-Produktivität

Tempo de medição:

Manual: 8 pontos em 15 segundos

Varredura: 1000 pontos em 12 segundos

Medição Manual

Alguns pontos definem somente parte da superfície da peça.

Medição com Varredura

Vai mostrar a geometria real da peça.

Cabeçotes Articulados:

Grande número de posições angulares possíveis.

Não necessita de configurações na maioria dos casos.

Cabeçotes Fixos:

Elevada precisão com alta velocidade de varredura/scanning.

Pode alcançar qualquer posição de elemento, pois permite o uso de prolongadores maiores e acessórios especiais para acessar cotas áreas de difícil acesso.

E se você me perguntar: Qual é o melhor?

Para responder eu terei que te fazer algumas perguntas, visando clarificar qual é o seu cenário em termos de tolerâncias, tamanhos de peças, quantidades dia… entre outros questionamentos muito importantes para que possamos juntos escolher o cabeçote ideal.

Sem contar que existe outras tecnologias que podem ser muito interessantes, tais como cabeçotes óticos, com uso de laser e outros que permitem até mesmo medir a rugosidade.

E quanto aos apalpadores?

Os apalpadores são de fundamental importância para o sucesso da medição, pois eles serão o elo de ligação entre a MMC e a peça a ser medida.

Cuidados na escolha dos apalpadores:

Inicialmente, verifique no manual do equipamento qual a capacidade máxima que o  seu cabeçote pode suportar. Sugiro que você tenha junto com a sua máquina uma balança de pequeno porte para realizar este controle.

Verifique também o comprimento máximo da combinação haste + apalpador que o seu cabeçote pode sustentar.

Defina o diâmetro da esfera, prolongadores e seus respectivos comprimentos, observando o seu desenho/modelo matemático e o que deve ser mensurado.

A minha principal dica é que você escolha uma marca de qualidade reconhecida e comprovada, pois um apalpador que não possua as propriedades físico mecânicas adequadas pode comprometer totalmente a vida útil do cabeçote.

O pior é que visualmente as marcas boas e as ruins são muito parecidas e de início parecem ter os mesmos resultados e incertezas, mas o problema é que pelo uso prolongado destes cabeçotes o seu cabeçote irá se comprometer e eu chamo isto de uma “Morte Lenta” do cabeçote.

Tenho visto muitas empresas negligenciarem este fato e serem surpreendidos com uma necessidade de troca do cabeçote precoce.

Fazendo uma analogia com os carros… Não é indicado comprar uma Mercedes-Benz e usar pneus de baixa qualidade e fora das especificações.

Invista em treinamento da sua equipe para evitar colisões.

Mantenha um estoque de apalpadores reservas assim como você faz com as ferramentas e acessórios produtivos, pois ambos não podem parar por falta de elementos.

Não podemos deixar de falar do magazine, pois ele será muito importante para agilizar o seu processo.

A utilização de Magazines possibilita uma troca rápida de apalpadores
e cabeçotes sem precisar montar e desmontar configurações.

Outro fator que irá impactar fortemente na sua estratégia de medição serão os elementos de fixação que você irá escolher, mas isto veremos no nosso próximo artigo.

Soluções para Fixação ZEISS

Espero que você tenha gostado deste artigo e e convido para comentar e tirar suas dúvidas sobre cabeçotes e sensores de medição.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s