Calibração de sistemas de temperatura

Você já parou para pensar em qual instrumento de medição tem maior relevância no nosso dia a dia?

Muitos irão dizer que são as balanças, no entanto os sistemas de controle de temperatura, também são fundamentais!

Termômetros, Termopares, controladores de temperatura… enfim… existem uma variedade incrível de modelos, formatos e aplicações.

Logo que uma criança nasce deve ficar em um berço com temperatura controlada… as geladeiras, estufas, muflas… tudo sob controle.

Nas indústrias temos injetoras, fornos de tratamento térmico, fulões em curtumes e aí por diante.

Quero neste artigo abordar um tema importante que é a definição do método de calibração destes instrumentos.

Quando temos um sensor acoplado a uma máquina, seguido de um cabo de compensação e um controlador de temperatura… por exemplo… qual será o método correto de calibração?

Considero que o correto é sempre calibrar a “malha” que consiste na comparação do sensor de medição com um padrão, tendo-se um meio térmico estável. O problema é que este método é mais demorado e na maioria dos casos necessita parar a máquina, fato que não agrada muito a produção.

Juntamente com as balanças eu acredito que sejam os instrumentos que mais causam dor de cabeça para os gestores metrológicos são estes sistemas de temperatura.

Perdi as contas de quantas vezes escutei… “O pessoal da noite” trocou o Termopar que estragou e não me avisou, gerando problemas em auditorias.

Outro fato que ocorre muito é o de as empresas “calibrarem” apenas o controlador de temperatura, esquecendo o Termopar e sua localização… o pior é que a maioria dos auditores aceita isto.

Calibrar a malha requer muito cuidado e tanto o laboratório prestador de serviço, quanto o contratante devem gerir os riscos de acidentes e paradas de produção.

O laboratório precisa realizar uma análise critica juntamente com o seu cliente visando definir toda a logística envolvida e principalmente definindo o método a ser adotado, número de pontos, se terá estudo de homogeneidade térmica entre outros pontos importantes.

Em tempos de pandemia o termômetro infravermelho corporal tem sido um aliado para ajudar a identificar pessoas com temperatura elevada e que possam estar contaminadas.

Tenho motivado muito os meus clientes a calcularem a suas incertezas em calibrações, medições e análises e quando envolve sistemas de temperatura eu reforço ainda mais a importância destes estudos para termos uma efetiva confiabilidade e qualidade de resultados.

A minha dica final é para você investir tempo para a definição do método ideal e de melhor custo benefício. Converse com os especialistas nos equipamentos no qual estes sistemas estão acoplados e juntamente com o instrumentista do laboratório fornecedor defina a melhor forma de executar a comprovação metrológica.

Caso você decida calibrar internamente eu sugiro que adquira os padrões corretos, considere as tolerâncias do processo e utilize normas e métodos reconhecidos e aceitos pela comunidade metrológica. Escreva procedimentos detalhados e priorize a segurança das pessoas envolvidas e do processo em questão.

Forte abraço!!!

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s