Porque não disseram isto antes

Olá

Você já precisou analisar certificados de calibração e ficou assustado (a) por não saber quais informações à serem consideradas para determinar se o instrumento está adequado ao uso desejado?

Perdeu tempo contatando com o laboratório de calibração para obter ajuda nesta análise e mesmo assim ficou com dúvidas?

Saiba que muitos profissionais passaram por isto e outros ainda tem este problema, mas o pior não é isto, pois grande parte destes profissionais pagam um alto valor por uma calibração e após não consideram uma boa parte das informações por na verdade não saberem o que fazer com os resultados que recebeu.

Eu sou Mauro Duarte e tenho 25 anos de experiência em Metrologia e Qualidade e irei neste artigo lhe fornecer 7 passos fundamentais para que você melhore a sua performance nesta atividade ou possa orientar melhor a sua equipe.

É fato que existem muitos tipos de instrumentos e normas de calibração e consequente temos certificados com siglas e conceitos específicos que complicam ainda mais a situação.

Então, o primeiro passo é o seguinte:

1 – Realize um Mapeamento do Cenário:

Identifique quais os tipos de instrumentos que você possui e monte a sua “Cola”… Consiste em você criar uma pasta física ou virtual, contendo um exemplo de cada certificado que você possui na sua empresa.

2 – Aplicação:

Descubra quais as aplicações que este instrumento possui na sua empresa e qual a forma que ele é utilizado. É triste dizer isto mas muitas vezes você irá se depara com uma situação adversa na qual você irá descobrir que a capacidade ou resolução do instrumento não irão atende adequadamente a necessidade do seu processo devido ao fato de ter sido comprado no passado de forma equivocada.

3 – Tolerâncias:

Você irá saber quais as tolerâncias “mais apertadas” das peças ou processos que o instrumento controla e neste momento não esqueça a regra dos 10 do MSA para garantir novamente se está utilizando o instrumento certo.

4 – Normas e Publicações:

Estude a norma de Calibração e publicações do INMETRO referente ao instrumento em questão para saber mais sobre o instrumento e se preparar para calibrar internamente ou para qualificar o laboratório que irá calibrar externamente. Na grande maioria dos casos fica mais viável terceirizar a calibração.

5 – Escolha dos Laboratórios:

No site do INMETRO você irá encontra quais os laboratórios credenciados para executar a calibração e ao optar por um destes laboratórios você irá usufruir de um laboratório que executa calibrações de forma normalizada na qual a sua calibração e emissão do certificado já foram auditadas por um especialista. Caso você utilize um laboratório apenas rastreado é fundamental que você mesmo o avalie, conforme a norma ISO 17025.

6 – Definição dos Critérios de Aceitação:

Nesta etapa você irá ter que escolher a equação que melhor lhe atende e isto iremos tratar em um artigo específico em breve, mas quero já te informar que esta regra de decisão pode ser simples, porém não muito confiável ou um pouco mais complexa, porém muito mais valiosa para o seu controle da qualidade efetivo. Afinal tudo isto não é apenas para agradar o auditor e ter um certificado de reconhecimento na parede.

Vamos pegar um exemplo genérico de um Micrômetro que mede comprimentos:

Você pode apenas considerar o erro e a incerteza na calibração que constam no certificado e ter uma avaliação simplificada, negligenciando o paralelismo e a planeza das faces que você pagou para o laboratório verificar, mas desta forma estará fazendo uma avaliação superficial e que pode lhe trazer problemas ali na frente de incompatibilidade de resultados com o seu cliente.

6 – Automatize a Avaliação:

Nesta etapa você pode criar uma boa planilha eletrônica que padronize e agilize a sua análise, mas não esqueça de validar os cálculos e os proteger com senha.

7 – Domine todas as Etapas:

Talvez nunca tenham te dito antes mas se você deseja ter sucesso na área de Metrologia e qualidade você irá precisar conhecer o que esta fazendo e não simplesmente avaliar o certificado como sempre foi feito e “no piloto automático”. No batizado do meu filho o padre falou algo aos padrinhos que eu guardei para sempre… Disse o seguinte: Se não é para participar e fazer a sua função bem feita é melhor nem se apresentar!!!

Em Metrologia é também assim, pois é preciso entender, fazer, questionar e decidir corretamente se o instrumento está ou não apto ao uso pretendido.

Então, espero que tenha gostado deste artigo e te convido para nos acompanhar, pois muitos dos temas aqui abordados serão mais aprofundados em outros artigos e lives.

Forte Abraço

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s